quarta-feira, 27 de julho de 2016

“Oporaí - Guata Porã: Awaju Poty – o canto sagrado guarani”- João dos Reis



Para o professor Flavio de Leão Bastos Pereira

Rete ymã
Há’eguy Ay
Rete pytu
Há’eguy rendy
Rete wa’ekwe
Há’eguy wa’erã.

Canção "Rete" (Corpo) - Corpo / passado e presente / Corpo / Trevas e luz / Corpo / Que foi e que virá. – música de Awaju Poty e letra de Awaju Poty/Ricardo Petracca.

O músico e pesquisador João José de Félix Pereira (Awaju Poty em guarani) produziu em 2001 um disco com 13 canções, com a participação do Grupo Amba Wera; de 11 participantes – no canto, percussão, violão, violino, violoncelo, harpa guarani, rawé, takwapu, mbaraka guaxu; e do coral de 18 crianças, homens e mulheres da aldeia Araçai, de Piraquara, na região metropolitana de Curitiba. O projeto teve o apoio da Fundação Cultural de Curitiba, Siemens e Paraná Equipamentos.

Popo lju
Ara Owy
Opawaerã hey Porã
Ejapo / Waieme
Ñandekwerupe

Canção "Popo Yju" (Borboleta amarela) -Borboleta amarela / No céu azul / Não fazer mal / A ninguém / Infinita beleza) - letra e música de Awaju Poty.

Ma’ety jau’i waerã
Ma’ety Ñanderu rete porá
Amba ma’ety rupa
Ma’ety ñanderu rete porá

Canção "Ma'ety" (Plantação) - Plantação, alimento futuro / Plantação, corpo do nosso divino pai / Lugar de excelente plantio / Plantação corpo do nosso divino pai. - letra e música de Awaju Poty.

No Paraná existem 15 mil índios – guaranis, xetás e kaigangs – em 17 terras regularizadas; há um total de 37 terras indígenas. Segundo o censo do IBGE de 2010, 25.915 se declaram índios, mas muitos vivem nas cidades. Vindos do interior do Paraná, um grupo chegou à Piraquara em 1999 – a aldeia Araçaí está em uma área de preservação ambiental, doada pelo ambientalista Jorge Grando, da Associação Paranaense de Preservação do Rio Iguaçu e Serra do Mar. Construíram casas de madeira, tem posto de saúde e escola bilíngue. Procuram manter as tradições e costumes indígenas – cantos e danças com instrumentos antigos. Vivem do artesanato, de doações e do Bolsa Família do governo federal.

Ñamandu miri, toma, e katu
Jaguata’i hãguãre
Jaupity hãguã ñanderekoare
Jawy’ á guã

Canção "Ñamandu Miri" (Pequeno Deus Sol) - Pequeno Deus Sol sagrado / Olhe a nossa caminhada / Para que nós alcancemos a felicidade / na nossa morada eterna) - letra e música de Kwaray Potygua.

João José de Félix Pereira (Awaju Poty) é coordenador do curso de Composição Musical da Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap); compositor, pianista; mestrado em Comunicação Semiótica pela PUC-SP em 1995; doutorado em Ciências da Religião pela Universidade Metodista de São Paulo em 2000. “Mborayu –o espírito que nos une – um conceito da espiritualidade guarani” –está na internet: digitando o nome do pesquisador ou “Cultura guarani Ñandewa – Tese”. A dissertação de 1995 não foi publicada: “Mimby, a arte guarani de fazer e tocar flauta de bambu”.

“Certa vez, Kwarayju, falando pelo espírito do canto, disse: ‘O canto está em toda parte. Você pode pensar que o vento é que está produzindo este canto {ventava e as folhas das altas árvores faziam um farfalhar muito belo}, mas não, ele é apenas o sopro e as folhas são apenas o instrumento, o canto {som} é um ser {gente}. (...) Muitas vezes você pode pensar que está ouvindo o canto de um espírito, mas na verdade é o de uma legião. Outras vezes, o canto pode nos levar ao silêncio que é necessário para que possamos ouvir o trovão de Deus {opororo} que ilumina, chameja {overa}’”, Hwarayju Poty, Itatins, 1995, texto na capa do CD “Oporaí - Guata Porã – o canto sagrado guarani”.

O Plano de Integração Nacional de 1970, com uma política de ocupação dos territórios indígenas para projetos de colonização, levou à expulsão, remoção, desagregação social e extermínio de milhares de indíos. A busca dos guaranis por uma Terra Sem Males, sem a aflição da dor, do sofrimento, da morte continua ainda hoje.

NOTA

Sugestões de leitura - disponíveis gratuitamente na internet:

1. “O ritual do Kaá dos Mbyá-guarani da aldeia Araçaí de Piraquara, Paraná”, de Ubirajara Salles Zoccoli e Nelson Pereira Castanheira.

2. “Relação do grupo indígena guarani Mybiá com o meio ambiente: alicerces da agroecologia”, de Raoni Kriegel, Elísio Oliveira de Azevedo e Frederico Fonseca da Silva.

Nenhum comentário:

Postar um comentário